Friday, February 08, 2008

Fragmento XXVII

Brisa que corres ao longo do rio
se vires o meu menino,
pede Amor, que em segredo murmures:
"Abandonei o castelo paterno,
onde jazia semi-morta de medo e frio,
em cansadas horas regulares de sono e passadio.
Esfarrapei meu vestido de anis e alfavaca,
empunhei longa cimitarra, pisei fétidas cloacas.
Bebi amarga cicuta! Por ti.

Aragem que sopras do salgado e doce rio,
se vires o meu menino,
manda amor que brandamente sussurres:
"Não esqueci o teu olhar brando e meigo,
as horas venturosas por entre verdes árvores.
Rouxinol e lua procuro-te e é sempre noite.
Estou triste, abandonada e só.
Meu coração roído de saudades.

Vento que brincas com as águas do rio,
se vires o meu menino,
dá-lhe notícias minhas.
Nunca nos encontramos,
por tal nunca morreremos
abraçados ao corpo das rosas,
jasmins e violetas.
Meu coração roído de saudades!

Umbigo do meu paraíso,
tormenta é o vento e meu castigo.
em rajadas sopra do Norte,
brando ergue-se do Sul.
Quando a noite cair
partirei para Oriente.
Ai Deus se te verei,
Ai Deus, por Deus sim!

2 Comments:

Blogger RAA said...

Admirável.

3:09 PM  
Blogger estrelicia esse said...

Não sei. Às vezes parece-me um pouco lamechas.

2:02 AM  

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home