Thursday, October 04, 2007

No túmulo de Leonardo

Esta lua mata-me. Lentamente, como convém a todos os supliciados. Durante horas fico imóvel, paralisado, com a cabeça encostada aos joelhos, em posição fetal, debaixo daquela luz incandescente e gelada. Uma pedra vermelha, incrustada no meu cérebro toca a rebate, brilha. É alguém que se aproxima. Impossível dormir. Impossível concentrar-me. Vertigens eléctricas percorrem-me o corpo, impedindo-me a saída. Não consigo mexer-me. É necessário mudar a página e fico preso à folha de papel, incapaz de a destruir.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home