Saturday, June 14, 2008

Não feches as asas

Ainda que a noite chegue lenta,
apagando as canções;
ainda que os outros pássaros
tenham ido dormir
e estejas cansado;
ainda que o medo rumine na sombra
e se cubra o rosto do céu,
meu pássaro, escuta-me
e não feches as asas!

Não. Não são as sombras do bosque,
é o mar que se levanta
como negra serpente;
não é a dança do jasmim em flor,
mas o fio da espuma...

Onde está a verde praia cheia de sol?
Onde está o teu ninho?
Meu pássaro, escuta-me
e não feches as asas!

A noite solitária
atravessou-se no teu caminho
e a aurora dorme
atrás dos montes sombrios.
As estrelas sustêm a respiração
e contam as horas.
A lua débil
boia no céu profundo.
Meu pássaro, escuta-me
e não feches as asas!

Nem a espearnça nem o temor são teus!
Não há para ti palavras
nem gritos, nem lar, nem ninho.
Tens apenas duas asas
e o céu sem caminhos!

Meu pássaro, escuta-me
e não feches as asas!

Rabindrath Tagore, Coração da Primavera

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home