Wednesday, January 02, 2008

Fragmento XIII

Evanescente como a espuma do mar,
pluma que esvoaça,
assim a minha alma
quando no mesmo leito
o tempo passamos,
gota a gota sangrando,
mãos e memórias,
outras vidas, outros rostos,
por momentos, vislumbrando,
na penumbra do quarto,
o fundo do poço vazio.

Vem sono leve,
refrescar o meu seio,
a transpiração dos meus cabelos.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home