Thursday, January 10, 2008

"Álcool", Mário de Sá-Carneiro, 1890-1916

Que droga foi a que me inoculei?
Ópio de inferno em vez de paraiso? ...
Que sortilégio a mim próprio lancei?
Como é que em dor genial eu me eternizo?

Nem ópio nem morfina. O que me ardeu,
Foi álcool mais raro e penetrante:
E só de mim que ando delirante-
Manhã tão forte que me anoiteceu.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home