Wednesday, May 21, 2008

Fragmento LXXXVII

No meu jardim nascem rosas
que desdenham das fúrias do mar.
São calmas, são pacíficas,
são caladas.
Crescem com o beijo do vento,
desfalecem à noite, ao luar.

0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home